Seguidores

Quem sou eu?

Na verdade, não sei muito bem quem sou.

Sei que sou o que sinto, do tamanho do que sinto.

Sinto-me viver vidas alheias.

Sinto as dores de quem nem está sentindo, mas eu sinto.

Sou o correr de uma lágrima, antes mesmo de chorar.

Sou um aglomerado de emoções.

Sou lamentos dos meus sofrimentos.

Sou pensamentos e pensamentos.

Sou reflexo das minhas atitudes.

Sou momento.

Sou o esquecer e o lembrar.

Sou a indagação da vida, sou ferida.

Sou o defender, o acusar.

Sou o conhecer do eu diferente.

Sou valente.

Eu sou transformação.

Sou a pessoa mais solitária do mundo,

Mas que nunca fica sozinha.

Sou a pessoa mais forte do mundo.

Mas que está sempre com medo.

Sou o exaltar das minhas realizações.

Sou mãe, sou filha, sou avó.

Sou o encontro de mim, comigo mesmo.

Sou o que sou, me orgulho muito de tudo que sou.

Enide Santos

Mostrando postagens com marcador Poesias. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Poesias. Mostrar todas as postagens

Dedicada inspiração













Há alguns suspiros caídos nas alamedas de mim.
São vigiados por uma dedicada inspiração
que aguarda o tempo certo para colhê-los.
Ela não sente fome,
nem demostra de nada necessitar.
Paciente e serena saboreia
o som que o ponteiro lhe dá.
Entre flores de gemidos,
Folhas secas de ais perdidos
Esse sopro se faz purificar.
E na era da colheita
Certa de concluir sua faceta
A nobre inspiração deixa seu suspiro exalar.


Enide Santos 13.01.17

Quando eu quis viver









Quando eu vinha viver
Já era tarde de mais
Já os meus passos estavam enraizados
Na profundidade do lugar onde não andei.

Quando eu resolvi vir para a vida
Ela já não mais fazia questão
Já estava estacionada
Num tempo em que não lhe pertencia.

Quando quis viver
Meus confrontos todos se riam de mim
Perdidos pela sádica névoa que os alimentam
Devorando-se uns aos outros num ritmo
Onde o expiro constante não move a vida.

Quando eu vim ter com a vida
A existência já havia perdido suas auroras
E a insaciável fome do tempo
Devorou-me antes que eu pudesse viver.

Enide Santos 12.01.17


O que sabe o amor de mim?














O que sabe o amor de mim?
O que eu não sei que pode ele saber
para tentar me controlar?
Sempre com seu apetite voraz,
devorando-me a cada instante mais.
Aleija minha respiração
tornando-a uma bastarda
e insaciável emoção.

O que sabe o amor de mim?
Para dizer que choro errado,
que o profundo ainda é raso!
Que este ardor é só uma brasa
do que ainda esta por vir.
O que sabe para denegrir meu enredo
Contestar um a um meus ensejos
Deixando-me perdida de mim?

O que sabe esta atração?
O que entende esta afeição,
Para fazer meu tempo parar,
Para de tudo que faço duvidar?
E apenas o silêncio do mundo desejar.


Enide Santos 02-01-17

Agora...





















Agora...
aconteceu um beijo
é só o que me lembro
não sei o que houve antes
e neste agora, agora
não me recordo de nada
apenas de possuir sua boca
de sentir meu corpo todo implorar 
que se sinta para sempre  assim
sem compreensão de nada
apenas permanecer inerte
eternamente neste agora.


Enide 29.12.16

Ambrosia do meu pecado













Quero você todinho seu descarado.
E nem adianta reclamar que é usado.
Vou te comer todinho
Vou te lamber inteirinho
Ambrosia do meu pecado.

Tanto nas noites como nos dias
Quero muito ficar te deliciando
Tomando longos e lentos tragos
És fino como vinho caro
E como homem, és perfeito por isso raro.

Quero mesmo ter você todo
Deixar minha boca te envolver
E o seu néctar meu querido
Delicadamente  quero absorver



Enide Santos 19-12-16

De volta na janela
















de volta na janela
agora já não há mais o que esperar
Já tive tudo
um pouco de cada sentimento
os sonhos desejados já foram realizados
não brinco mais de ser sozinha
e nem de estar acompanhada
meu olhar
já não busca nada mais no horizonte
eu tive você
pude ter amar
pude lhe ofertar o mais completo sentir
Eu te amei
e ainda amo
já não o tenho mais comigo.
restam apenas lembranças.
Mas sou feliz, pois tive você.

Enide Santos 14.11.16

A coroa do meu rei é de espinhos

















Desde sempre estava escrito
O senhor seria ungido.
A terra a semente agasalhou

Deu-lhe sustância, deu-lhe amor.
Pois adiante já se sabia
Que os seus espinhos
À coroa pertenceria.

Tudo estava sendo preparado
Cada galho, cada orvalho,
Até o vinagre que ali seria usado.

Então o dia chegou...
E a terra que a arvore moldou
Chorou.
Pois da sua semente fora feita
A cruz que o senhor carregou.

Tudo fora preparado
Terra, céus e mares.
Tudo fora com paciência forjado
Para exaltar ao senhor.


Enide Santos 01/02/15


Nós...




















Eu... que não sei ser feliz.
Não consigo ser.... sem este ardor no peito.
Não sei me imaginar...
Sem este suspiro de efeito.
Sem o riso no olhar, sem seu nome aclamar.

Eu...que aprisiono cada lembrança...
Forçando-a diminuir entre nós a distância
Alcançando cada limite de amar
Mesmo quando você não está.

Eu... que quando me viro sozinha no leito.
Forçando e forçando ardente deleito...
Ambiciono até de a sua ausência me adornar.

Eu... que sozinha domo o sonho
Que de verdade...
Não me envergonho.
De amar você em qualquer plano.

Enide Santos 22.09.16

No puedo vivir sin ti




















Siempre he estado buscando
Ahora te encuentré
no quiero perderte.
Sé que piensas que puedo vivir sin ti
creo que no.
Fue usted quien me mostró la vida
desanuviando mi mirada
concediéndome el derecho a soñar
no hay otra manera de vivir
Oh, Dios! Me temo que no puedo respirar
nada hace que mi corazón se acelere
es imposible mantener mi vida
sin su manera de estar aquí
No sé, tengo miedo!
Necesito su piel
Necesito tus besos
infinitamente tienen necesidad de su presencia.
No sé...
No sé cómo se despierta sin ella.
Queda esperar el amanecer


Enide Santos 15:07:16

Señora de mi inspiración
















¿Cómo puede la luna me mira todo el tiempo?
el que me busca siempre y para siempre.
No tengo ningún recuerdo de estar solo
Ella está siempre conmigo,
incluso si es de día.
la presencia del sol
nada importa
nada nos distancian
y mi compañero
heredera principal de mi ojo
señora de mi inspiración
comparte conmigo males de la soledad
¿Cómo vivir sin tener mirándome?
mi dama de la noche.
envolverme en sus brazos para siempre
Nunca se olvide de encender nuestra distancia
hasta que nuestra luz es sólo uno.



Enide Santos 15:07:16

Frio e escuro






















Não percebo nada mais que o frio e o escuro,
Não me é possível emergir sem você.
Não entendo as (des) necessidades da vida.
Vejo-as infiltrando-se com gana do extermínio

Todas as razões para alegria,
Não serão o bastante se não o tenho.
E esta é a primeira dentre todas a se ir.
O sorriso faz descaso de qualquer motivo.

Quanto à vontade, esta é perseguida acuada, abatida.
O frio do escuro, o escuro do frio, são propícios ao momento
Só há uma espécie de gloria no fétido horror que permuta cada hora.
Nada é mais belo e prazeroso que o saber
Que não sou se não tenho você.

 Enide Santos 09/04/16


Nada sou





















A maior dor que já senti
Não veio do horrendo
Emergiu ferozmente
Da profundidade da beleza.

Mostrando-me quão
Ordinária e ínfima sou
Pensava que me bastava
Julgava que a tudo alcançava.

Pobre de mim!
Vagando apenas por meus olhares
Que incapazes são
De me manter certa
Da minha própria condição.

Foi ao falhar a minha voz
E ao nublar do meu sentido
Que reparei.
Ah, meu Deus!
Eu não sou nada
Sem estar contigo.


Enide Santos 08/02/16

Névoas e dores
















A névoa que vincula-me ao meu passado
Veste os olhos de minha poesia.
Sem deixar que se rompa o velcro
Impedindo-me de banhar-me em palavras.

E amante da dor que nunca passou
Fisga meus alicerces, incomodando-me
Aprisionando as vozes de minha infância
Retardando o meu acontecer.

Névoas e dores tapam os olhos
Da minha força de vontade
Ilhando-as do lado de fora de mim.

É nascido comigo
O poder infindo de um suspiro
Capaz de me desanoitecer.


Enide Santos 24/01/16

Seu meu afeto




















Que importa se seu afeto se me deu.
Impregnado de eternidade repousa.
Presenteando-me com branduras
Pondo-me cores ao semblante

Seu afeto quis vir a mim
Nuzinho dos pés à cabeça
Cintilando o rosto, o riso e os olhos
Atando-se aos meus sentidos

Atirou sê-me pleno e feliz
Seu, Depois... Meu
Ai! Manuseia-me a alma
Dando-me gozos sublimes.

Ainda quando finjo que eu te fujo
Mira-me toda
Soluçando beija-me
A face
O colo
E dorme em minh’alma.


Enide Santos 24/01/16

Ela




















Pé ante pé
Adentrava
Olhando sobre o ombro
Enfeitiçava
Soltando pétalas
Ela bailava
Descerrando seu corpo
Flutuava
Desfazendo o vento
Rodopiava
Acariciando-se aos poucos
Encantava.
No final, apenas um leque
a decorava
Dama despida
Ovacionada.

Enide Santos 11/01/15

Pobre de mim!




















Andas a fazer sol em meu corpo
E de penitencia ainda me pedes
Que te aqueças.
Pobre de mim!
Que sou apenas a eternidade
Dos sentimentos que reservo para ti.

Andas a fazer luz em minha vida
E de castigo ainda anseias
Que me revele para ti.
Pobre de mim!
Que sou apenas o reflexo
Que emana de ti.

Andas a fazer-me
Instantes
Durantes
Importantes
Semelhantes a ti.

Pobre de mim,
que já não mim...
Significo sem ti!


Enide Santos 07/01/15

Total












Bebeu
Soluços
Gole por gole

Ingeriu
Palavras
Letra por letra

Inalou horas
Tic e Tac

Tragou
Sons
Alfa e Ômega

Solveu
A vida
Yin-yang

Só o futuro
Devolveu.

Enide Santos 23/12/15

Remendo de capim



















 
Agora à noitinha
Tava já escureceno
Quando de longe vi no cer
O que parecia um remendo

Tinha pontos no cer
Memo pareceno que de argodão
Través das nuvens percebi
Tinha uma muié cosendo

Seu cabelo era arvo
Pele rosada face serena
Com jeitim alinhavava
Aperfeiçoando o remendo

Quando manheceu
Pensei que tava sonhano
Mas admirave foi a cena
Do cer caiu em mim
Foias de capim
E flores de açucena.

Enide Santos 11/12/15


Mode que será?

















Mode que será
que nunca me canso do cê?
Será que é amo
 ou apenas vontade de viver?

Quanto mais tamo junto
Mais eu quero ocê.
É, memo teno medo
Acho que é vontade de viver!

Má o sor se levanta
Antes memo de manhacê
Já ta esse diacho desse medo
Quereno me corrompe.

-Mais hora essa, deixe de bestagem!!
É o que sempre me diz ocê
-Não se apoquente, pois desse má
Também sei sofre!

Num sei mode que será
Só sei que esse amo
Nunca há de se cabá.

Enide Santos 11/12/15


Escrever

download (5)

Escrever é deixar cair a voz

No abismo absoluto do ser

É desvanecer do instante

Permutar-se em pensamentos

 

Escrever é despertar a alma

Amparando-a para que se mostre

Incitando-a retratar seu lascivo tecido

Assinando assim o construir de todo seu possível

 

Escrever, escolher ditos

Para que unidos sejam sons de gritos.

É o poder de acariciar a existência

E nela imprimir razões e emoções.

Escrever é respirar com as mãos.

 

Enide Santos 01/12/15

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...