Seguidores

Quem sou eu?

Na verdade, não sei muito bem quem sou.

Sei que sou o que sinto, do tamanho do que sinto.

Sinto-me viver vidas alheias.

Sinto as dores de quem nem está sentindo, mas eu sinto.

Sou o correr de uma lágrima, antes mesmo de chorar.

Sou um aglomerado de emoções.

Sou lamentos dos meus sofrimentos.

Sou pensamentos e pensamentos.

Sou reflexo das minhas atitudes.

Sou momento.

Sou o esquecer e o lembrar.

Sou a indagação da vida, sou ferida.

Sou o defender, o acusar.

Sou o conhecer do eu diferente.

Sou valente.

Eu sou transformação.

Sou a pessoa mais solitária do mundo,

Mas que nunca fica sozinha.

Sou a pessoa mais forte do mundo.

Mas que está sempre com medo.

Sou o exaltar das minhas realizações.

Sou mãe, sou filha, sou avó.

Sou o encontro de mim, comigo mesmo.

Sou o que sou, me orgulho muito de tudo que sou.

Enide Santos

Mostrando postagens com marcador Desabafos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Desabafos. Mostrar todas as postagens

Minha ausência: Gostaria que os amigos lessem

















Minha ausência
Gostaria muito que meus amigos lessem...
Hoje estou estudando, faço Licenciatura em Português/ Inglês, isso significa que se, Deus assim permitir daqui a dois anos e meio estarei ministrando aulas. Bem, ainda não sei nada sobre isso e não me envergonho por cometer erros grosseiros tanto na minha comunicação oral quanto na escrita, creio que é normal, pois ainda estou aprendendo. É possível que neste mesmo texto ao qual estou escrevendo tenha inúmeros erros gramaticais, de concordância, acentuação entre outros, mas é questão de tempo para que eu posso dominar com eficiência ao que estou me propondo fazer e um dia não muito distante, garanto, pois estou me esforçando muito, vou me graduar e terei em mãos um sonho que não me atrevi a sonha porem ele me sonhou desde sempre.
Nunca sonhei em lecionar, embora já o tivesse feito sem me dar conta. Ainda era criança, tinha apenas onze anos quando a pedido de um tio meu, fui passar um tempo em sua casa para que eu pudesse alfabetizar algumas crianças que não tinham de forma alguma como aprender, pois, a escola mais próxima ficava na cidade (Presidente Jânio Quadros) a muitos quilômetros de distância para a maioria deles. Assim dos onze aos quatorze anos me tornei professora. Eu era uma criança adorada por outras crianças que estavam felizes ´por estarem aprendendo a assinar o nome, vinham de longe, de suas fazendas, montados a cavalo em jumentinhos a pé e com seus embornalzinhos onde continha um caderno um lápis e uma borracha. Os pais deles me adoravam, me presenteavam com bolos e biscoitos estavam satisfeitos por verem os filhos aprendendo a ler e escrever. Tínhamos aula também a noite para os adultos que trabalhavam na roça o dia todo, mas a noite estavam lá sob a luz das lamparinas tentando desenhar as letras. Alguns aprenderam e inclusive até me enviavam cartas depois que vim embora. Acho incrível que ainda é quase impossível distinguir as letras deles da minha.
Enide Santos 28-05-16



Eu e meus quarenta e seis anos.

Moganngua 029

Nossa!

O que me segura ainda aqui nesta vida?

Eu descobri que posso criar sonhos.

Que posso ter uma plantação infinita deles.

Sei que se depois que eu fizer de tudo para realizar qualquer um deles não der certo, eu tenho muitos e muitos outros.

Não somente para mim, mas para outras pessoas que queiram uma semente.

Isso me fornece vida, me fornece o desejo de seguir em frente, sem ter a obrigação de nunca desistir de um sonho, sei que pode parecer errado dizer isso, pois quase todas as pessoas que conheço aconselham-me ao contrario, para que eu nunca desista dos meus sonhos. Se ele estiver me matando ao invés de me dar vida, sinto muito, tenho outros sonhos pra realizar.

Bom, eu faço assim e gosto disso, pois tenho sempre alguma atividade, umas vão bem outras nem tanto, e assim vou me alimentando desta vida.

Vou provando sabores diferentes de sonhos diferentes, não sei para onde e nem para que.

Sei que quero mesmo é viver.

E como esta sede de vida faz muito bem para mim eu adoraria que outras pessoas pudessem entender que não há necessidade de ficarmos presos a nenhum paradigma.

Nós fazemos os nossos dias e usamos os nossos sentimentos e também usamos o nosso coração, plantando nele bons sonhos não apenas para nós, mas para as pessoas que nós cercam vivemos melhor quando conseguimos fazer com que a nossa parte boa supere a nossa parte não tão boa assim.

O sentimento de dignidade é impagável é o melhor de todos eles, a meu ver.

Quando você é digno com você

Digno com o outro

Digno com Deus.

Nada supera, nem mesmo o amor.

Está sou eu agora com quarenta e seis anos, apaixonada pela vida, pela poesia

Pelos meus familiares e amigos pelo e De que é a minha luz.

Tudo isso sendo guiada pelas mãos de Deus.

Obrigada sempre a cada um que faz parte de minha vida, que durante este ano encheram minha vida de muitas alegrias e de muitas palavras de carinho e amor eu adoraria poder citar o nome de cada um tanto em casa como no face e também nos sites onde levo minhas letras. Eu sou pequena, mas o meu Deus é grande e pode levar a cada um sonho realizável.

Obrigada e felicidades a todos por tudo.

 

Enide Santos 30/10/14

Proibida de ser mãe



É incrível como já chorei por você.
Vivo na espera de ser vista novamente por você.
Você não me dá nem um motivo para achar que faço falta em sua vida.
Mais eu sei que faço, tenho certeza que sente minha falta.
Você ainda não sabe, mas um dia vai saber.
Tenta demonstrar o tempo inteiro que é mais feliz longe de mim.
Eu não entendo como podemos chegar a esta situação.
Sei que sempre te amei, nunca te maltratei.
Não te obriguei a nada, te cuidei, te protegi.
O que faltou? 
Sempre procurei ser compreensiva.
Onde errei?
Porque te perdi?
Porque tenho que deixar de ser sua mãe?
Fui proibida de te educar, como se eu tivesse cometido um crime.
Fui proibida de ser a única coisa que me propus ser.
E dói muito, como dói.
Eu poderia ter mil filhos, mais cada um seria cada um.
Procurei tanto ensiná-las a se proteger dos outros.
Esqueci-me de ensiná-las a se proteger de si mesmas.
Será que este foi meu erro?
Não sei onde errei, não sei o que fiz de errado.
Não consegui fazer você confiar em mim.
Sei que te amo, minha princesa, e sempre vou te amar.

Algoz


O som da sua voz, é o alimento do meu chorar.
Melhor dizendo, é mesmo um sofrimento.
Porque no mundo em que vivemos, o certo mesmo era eu te odiar.
Todas ás vezes que ouço o seu nome, tenho vontade de chorar.
E fico pensando, o que mais de mim quer tirar.
Você sempre soube que, para transformar seu sonho em realidade, teria que destruir o de outras pessoas, mesmo assim o fez.
Tirou de mim meus direitos e me impediu de cumprir meus deveres.
Fez com que durante muitos dias e muitas noites, os meus olhos não permanecessem secos.
Na verdade, tudo é muito pior que chorar.
É ver e ouvir você tripudiar.
Mas saiba, você que a tirou de mim, e julga ser seu troféu, na verdade, nunca me pertenceu, eu era apenas uma guardiã.
Você terá que prestar contas com Deus.
Eu fiz o meu melhor, sei que fiz meu possível e impossível.
Agora, só me resta esperar, que as sementes que plantei no que você julga ser seu troféu, brotem um dia mais cedo ou mais tarde, sei que vão.
E por enquanto, sou obrigada a lembrar-me diariamente de tudo que aconteceu,
vou continuar aqui, ouvindo o som  que causa o meu chorar.
Vai lá, pode falar ou até mesmo gritar.
Eu sou apenas uma mãe, que só pode chorar.


Deixar de ser mãe



Deixar de ser mãe?
Como assim? Deixar de ser mãe, primeiro, somos obrigadas a aprender de tudo,
 tem que fazer isso, tem que fazer aquilo, não pode isso, não pode aquilo.
E aos poucos, transformam sua vida em pura responsabilidade.
Seus dias e noites, são totalmente dedicados para um pequeno ser, que depende totalmente de você.
Você aprende a ser mãe, aprende a se dedicar a isso.
Dorme e acorda em função de ser mãe, e conforme o tempo passa, você se transforma no ser mais amado do mundo.
Até que chega o dia que você precisa entender, que seu filho cresceu e precisa andar sozinho.
Agora, ser mãe é magoar, é tirar o direito de seu filho, é impor regras, é exterminar com seus sorrisos, é passar o tempo inteiro dizendo “não” e ser sempre o obstáculo para quase tudo.
Que pena, que nossos filhos não percebam como dói, cada vez que somos obrigados a dizer “não”, como é triste ser um obstáculo para eles no decorrer da infância e principalmente na adolescência.
 Não sabem que tudo isso, é apenas para fazer deles bons e felizes, adultos, tendo que usar as piores armas, com uma única munição, o "amor".
Mas chega o momento, em que precisamos deixá-los ir.
Como deixar de ser mãe? Depois que se aprende a amar tanto outro ser?
Como se deixa de tentar proteger?
Como parar de se preocupar?
Então, é a vez da prova de amor, é a vez de perder.
De ir contra seus propósito, é uma perda ou outra.
Deixá-los ir também, é uma prova de amor.
Será que é assim se aprende?
Como deixar de ser mãe?


Desabafo de Mãe


                                         
Mãe que sofre todos os dias
Vendo seu filho ser vítima da vida.
Mãe que está sempre se condenando
Achando-se culpada, pensando estar errada.
Pensa sempre que devia ter feito isso ou aquilo.
É muito difícil ser obrigada a deixar de ser mãe.
Você cuida, amando todos os dias lava e limpa, penteia e ama.
E de repente, alguém vem e tira seu direito de amar.
Não, não quer muito.
Não quer tudo.
Só não quer
Ser deixada para trás.

Enide santos 24/06/12


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...