Seguidores

Quem sou eu?

Na verdade, não sei muito bem quem sou.

Sei que sou o que sinto, do tamanho do que sinto.

Sinto-me viver vidas alheias.

Sinto as dores de quem nem está sentindo, mas eu sinto.

Sou o correr de uma lágrima, antes mesmo de chorar.

Sou um aglomerado de emoções.

Sou lamentos dos meus sofrimentos.

Sou pensamentos e pensamentos.

Sou reflexo das minhas atitudes.

Sou momento.

Sou o esquecer e o lembrar.

Sou a indagação da vida, sou ferida.

Sou o defender, o acusar.

Sou o conhecer do eu diferente.

Sou valente.

Eu sou transformação.

Sou a pessoa mais solitária do mundo,

Mas que nunca fica sozinha.

Sou a pessoa mais forte do mundo.

Mas que está sempre com medo.

Sou o exaltar das minhas realizações.

Sou mãe, sou filha, sou avó.

Sou o encontro de mim, comigo mesmo.

Sou o que sou, me orgulho muito de tudo que sou.

Enide Santos

Névoas e dores
















A névoa que vincula-me ao meu passado
Veste os olhos de minha poesia.
Sem deixar que se rompa o velcro
Impedindo-me de banhar-me em palavras.

E amante da dor que nunca passou
Fisga meus alicerces, incomodando-me
Aprisionando as vozes de minha infância
Retardando o meu acontecer.

Névoas e dores tapam os olhos
Da minha força de vontade
Ilhando-as do lado de fora de mim.

É nascido comigo
O poder infindo de um suspiro
Capaz de me desanoitecer.


Enide Santos 24/01/16

Seu meu afeto




















Que importa se seu afeto se me deu.
Impregnado de eternidade repousa.
Presenteando-me com branduras
Pondo-me cores ao semblante

Seu afeto quis vir a mim
Nuzinho dos pés à cabeça
Cintilando o rosto, o riso e os olhos
Atando-se aos meus sentidos

Atirou sê-me pleno e feliz
Seu, Depois... Meu
Ai! Manuseia-me a alma
Dando-me gozos sublimes.

Ainda quando finjo que eu te fujo
Mira-me toda
Soluçando beija-me
A face
O colo
E dorme em minh’alma.


Enide Santos 24/01/16

Ela




















Pé ante pé
Adentrava
Olhando sobre o ombro
Enfeitiçava
Soltando pétalas
Ela bailava
Descerrando seu corpo
Flutuava
Desfazendo o vento
Rodopiava
Acariciando-se aos poucos
Encantava.
No final, apenas um leque
a decorava
Dama despida
Ovacionada.

Enide Santos 11/01/15

Pobre de mim!




















Andas a fazer sol em meu corpo
E de penitencia ainda me pedes
Que te aqueças.
Pobre de mim!
Que sou apenas a eternidade
Dos sentimentos que reservo para ti.

Andas a fazer luz em minha vida
E de castigo ainda anseias
Que me revele para ti.
Pobre de mim!
Que sou apenas o reflexo
Que emana de ti.

Andas a fazer-me
Instantes
Durantes
Importantes
Semelhantes a ti.

Pobre de mim,
que já não mim...
Significo sem ti!


Enide Santos 07/01/15

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...